Alunos de doutorado da Unifei e do Inpe realizam projeto com o laboratório europeu Altos Campos

O aluno de doutorado Fernando Silva Pena, da Unifei, durante sua estadia no Laboratório Altos Campos.

 A Universidade Federal de Itajubá (Unifei), em colaboração com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), por meio do programa de “doutorado sanduíche” no exterior, realizou uma parceria com o Laboratório Altos Campos – High Field Magnetic Laboratory (HFML), na Universidade Radboud, em Nijmegen, na Holanda.

 Por conta disto, Fernando Silva Pena, aluno de doutorado em Materiais para Engenharia da Unifei, orientado pelo professor Marcelos Lima Peres, do Instituto de Física e Química (IFQ), ficou durante um ano em Nijmegen para realizar parte dos seus estudos. O pesquisador Anderson Kenji Okasaki, do Inpe também participou do programa de doutorado no laboratório.

 Nessa parceria, estiveram ainda os co-orientadores professor Demétrio Werner Soares, do IFQ, e Paulo Henrique de Oliveira Rappi, do Inpe, além dos colaboradores Eduardo Abramof, também do Inpe, e Steffen Wiedmann, do HFML.

 Segundo o professor Marcelos, a parceria entre a Unifei e o Inpe existe há 10 anos, sendo que os colaboradores do Inpe fornecem amostras de alta qualidade, que são, basicamente, nanoestruturas de semicondutores e filmes finos.

 “O aluno Fernando realizou uma série de medições em poços quânticos de PbTe, conseguindo observar o Efeito Hall Quântico nesses poços. É a primeira vez que esse efeito é observado em poços do tipo p, onde os portadores de corrente elétrica são vacâncias de elétrons, ao invés de elétrons”, explicou o professor Marcelos.

 Ele também disse que a quantidade de dados de alta qualidade obtidas pelo doutorando são mais que suficientes para que ele finalize seu projeto de doutoramento. “Atualmente, ele está escrevendo um artigo para publicar os resultados. Para a Unifei, o melhor resultado, além da formação do aluno, é ter acesso ao Laboratório de Altos Campos, que faz parte de um consórcio europeu com mais dois laboratórios, na Alemanha e na França”, completou o professor.

 Em publicação no site da HFML, o professor Steffen Wiedmann comentou a participação dos alunos: “Esta foi a primeira vez que organizei esses estágios com meus colaboradores do Brasil. Anderson e Fernando fizeram um trabalho fantástico. Não foi apenas recompensador cientificamente, eles também tiveram um tempo agradável aqui na Holanda, trabalhando em conjunto com os membros da nossa equipe e aprendendo novas habilidades. Tenho orgulho de poder atuar como supervisor e agradeço a Eduardo Abramof, Marcelos Peres, Sergio Pezzini e Paulo Rappl por essa grande colaboração”.

 A matéria completa publicada pelo site do HFML – Laboratório Altos Campos está disponível no link: https://www.ru.nl/hfml/research/research-highlights/highlights/brazilian-phd-internships-hfml-successful/.