Boas práticas de ensino durante o Regime de Tratamento Excepcional – RTE-UNIFEI (Parte 1)

O RTE é um modelo que permite a professores e alunos continuarem desenvolvendo as disciplinas, de forma remota, utilizando tecnologias diversas, como as utilizadas na EaD.

Durante o RTE, a UNIFEI está, literalmente, passando por uma revolução nas suas práticas de ensino.

Vários recursos estão sendo usados para simular o ambiente da sala de aula presencial.

Nos cursos de Pós-Graduação também estão sendo utilizados diversos recursos e ferramentas para auxiliar no ensino remoto.

As avaliações de uma das disciplinas ofertadas no curso de Pós-Graduação em Engenharia de Produção estão sendo disponibilizadas via link.

 

 A Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) adotou o Regime de Tratamento Excepcional (RTE) em 06 de abril deste ano, após três semanas de suspensão total das atividades acadêmicas devido à pandemia da COVID-19. Foi uma forma encontrada pela Universidade de manter sua atividade-fim mesmo durante a situação atual, principalmente devido ao fato de não haver, ainda, expectativa para o retorno das atividades presenciais de ensino.

 O RTE é um modelo que permite aos professores e alunos continuarem com o desenvolvimento das disciplinas, de forma remota, utilizando tecnologias diversas, inclusive aquelas utilizadas no ensino à distância (EaD).

 Nunca é fácil adaptar-se a mudanças na rotina, especialmente quando elas exigem novas práticas e novas tecnologias nunca antes utilizadas. Não se pode negar que muitos professores sentiram dificuldades para se adaptarem ao RTE, mas a grande maioria desses docentes decidiu por realizar o máximo esforço no sentido de oferecer o melhor de si para os alunos.

Transmissão de aula em tempo real

 O professor Alexandre Ferreira de Pinho, do Instituto de Engenharia de Produção e Gestão (IEPG), cita que no início não sabia exatamente como iria conduzir suas disciplinas. Ele diz que disponibilizou para os alunos os arquivos no formato PDF com o conteúdo de suas aulas e complementou com outros textos e listas de atividades, sendo as dúvidas esclarecidas por e-mail.

 Segundo o docente, na terceira semana do RTE, durante uma reunião virtual com os professores do IEPG, houve o primeiro contato com algumas ferramentas já disponíveis na UNIFEI que poderiam auxiliar na condução das disciplinas de forma remota. A primeira a ser utilizada na prática foi o Google Meet, que permite a condução da aula em tempo real, interação direta com os alunos e gravação do conteúdo para ser disponibilizado para quem não pode assistir a aula na transmissão ao vivo.

 Hoje, o professor Pinho, como é conhecido entre os alunos, fala em não deixar mais de usar essa tecnologia e já pensa em formas de, mesmo depois do retorno dos encontros presenciais, continuar utilizando a transmissão ao vivo e a gravação das aulas. Para ele, isso permitirá que os alunos que não puderam estar presentes ou ficaram com dúvidas assistam a aula novamente.

Uso de webcams

 O professor Rodrigo Maximiano Antunes de Almeida, do Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologia da Informação (IESTI), utiliza, em sua disciplina de Sistemas Operacionais Embarcados, duas webcams para disponibilizar aos seus alunos tanto sua imagem conduzindo a aula quanto a imagem de hardwares, como placas eletrônicas e outros componentes, para melhorar a compreensão dos estudantes.

Apoio do CEDUC

 O professor Cleber Gonçalves Junior, também do IEPG, cita que a primeira semana do RTE foi mais difícil, mas com os tutoriais disponibilizados pelo Centro de Educação da UNIFEI (CEDUC), rapidamente, foi possível se adaptar e melhorar a condução. O docente diz que momentos como este são oportunidades para aprender novas práticas de ensino e novas ferramentas tecnológicas e para evoluir como educador.

 Atualmente, o professor utiliza mesa digitalizadora e os softwares Microsoft One Note, Excel e Power Point em conjunto com o Open Broadcaster Software (OBS) para realizar o desenvolvimento das atividades didáticas de forma remota, simulando o ambiente da sala presencial.

Metodologias ativas

 O momento também é oportuno para a prática de metodologias ativas de ensino e aprendizagem. O professor Luiz Lenarth Gabriel Vermaas, também do IESTI, está criando um ambiente que permite que os alunos se ajudem e construam conhecimento juntos, mesmo que à distância. Ele utiliza várias ferramentas de EaD já disponíveis nos sistemas existentes na UNIFEI.

 De acordo com o docente, esses recursos permitem até mesmo obter informações sobre como o aluno interagiu com os materiais disponibilizados para estudar, quanto tempo ele se dedicou no estudo de cada material, quais materiais ele consultou e outras estatísticas. O professor também está gravando videoaulas para disponibilizar aos alunos, além de encontrar-se, semanalmente, com eles para aulas virtuais em tempo real.

Pós-graduação

 Os cursos de pós-graduação também precisaram se adaptar. O professor José Arnaldo Barra Montevechi, do IEPG, em sua disciplina ministrada no Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, utiliza recursos e ferramentas para cursos de e-learning. Ele grava áudio e vídeo sobre seus slides do Power Point e disponibiliza uma interface que pode ser acessada por qualquer navegador de internet. Esse modelo permite que o aluno navegue na apresentação do professor e escolha qual slide quer estudar em cada momento, dando-lhe total controle sobre o processo de aprendizagem.

 As avaliações também são disponibilizadas no mesmo formato, via link que pode ser acessado por navegador, mesclando questões de múltipla escolha, preenchimento de textos e valores numéricos. O aluno recebe o resultado de sua avaliação imediatamente após enviar as respostas das questões. O professor também cita que os conteúdos discutidos com os alunos possuem autoavaliação para que os estudantes possam confirmar se realmente têm assimilado o conteúdo.

 O aluno de pós-graduação Pedro Alberto Chaib de Sousa Bernardes comenta que a absorção dos conhecimentos da disciplina tem superado todas as expectativas para um curso oferecido de maneira remota. Segundo o discente, a forma utilizada pelo professor para disponibilizar os conteúdos e os encontros semanais para discutir os temas têm sido de grande importância para o aprendizado. Pedro também cita a importância do comprometimento e da participação ativa do estudante nesse processo para minimizar os efeitos negativos da distância entre professor e aluno.

Revolução no ensino

 Assim, a UNIFEI está, literalmente, passando por uma revolução nas suas práticas de ensino. Alguns professores estão disponibilizando aulas em seus canais no YouTube, fazendo transmissões ao vivo em redes sociais, com acesso livre, não apenas aos alunos da Universidade, mas a qualquer pessoa que desejar acompanhar os conteúdos desenvolvidos.

Palavra da administração

A UNIFEI monitora todas as ações referentes ao RTE e realiza as intervenções necessárias quando são identificados problemas. Já foram abertos editais para fornecer notebooks e internet para os alunos, também foram realizadas alterações nas normas do RTE em função de demandas dos estudantes e dos professores. Além disso, já foram feitas alterações nos índices de desempenho para os alunos não serem prejudicados, entre outras decisões.

Sabemos que não é fácil para os docentes, alunos e familiares, mas precisamos trabalhar juntos. Não se sabe ainda por quanto tempo estaremos impedidos de praticar o ensino presencial nas universidades, mas já sabemos que aquelas instituições que ainda não realizam ensino remoto devem iniciar no segundo semestre. Lembramos que a UNIFEI disponibiliza atendimento psicológico para auxiliar os alunos que se sentirem afetados por tantas mudanças e que vamos fazer intervenções no modelo do RTE sempre que necessário.