Manifestação do Consuni sobre o incêndio no Museu Nacional do Rio De Janeiro

Manifestação do Conselho Universitário da Unifei (Consuni) sobre o incêndio no Museu Nacional do Rio De Janeiro

11ª Reunião Extraordinária – 10/09/2018

 

 O Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), instituição que completou 200 anos, está morto, com sua alma de acervo precioso consumida por um incêndio. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Itajubá (Consuni) expressa, de modo contundente, sua solidariedade à UFRJ, nossa coirmã, nesse momento desolador e angustiante para expressiva parte da sociedade, que crê e deseja a reconstrução de uma nação norteada para a justiça social. Inclemência, a mesma ou maior do que a das chamas, é sentida no cotidiano da vida de nós, brasileiros, especialmente dos mais vulneráveis, regidos por uma política de austeridade fiscal, pela qual se projeta um cenário de forte desigualdade social.

 A Emenda Constitucional 95 (EC95), impetrada pelo governo vigente, define um teto de recursos para educação e saúde por 20 anos. Ela, em seu pouco tempo de vigência, já tem causado um cenário de esfacelamento progressivo da ciência, educação, cultura, saúde e bem-estar da sociedade brasileira e, certamente, é grande responsável pelo destino trágico do Museu Nacional. Revogá-la significa a retomada do processo civilizatório de edificação de uma sociedade menos desigual e mais comprometida com seu patrimônio natural e cultural.

 O Consuni deve, pois, como é da estirpe de uma entidade de relevância acadêmica e social, posicionar-se frente aos problemas enfrentados pela nação. De fato, historicamente, tem agido neste sentido, de forma comprometida nas questões de relevo não somente da comunidade de Itajubá, mas, outrossim, da brasileira. Este é um momento crucial para que se manifeste pela restauração da dignidade devida à ciência, à educação, à cultura, à memória e, por conseguinte, ao próprio povo brasileiro.

Conselho Universitário da Unifei – 10/09/2018