Professora e alunos da Unifei desenvolvem, em parceria com a UFRJ, rede social voltada para problemas da sociedade

Logo da rede social Sociedade Participativa (SoPa).

Infográfico explicando como fazer parte e contribuir com a rede SoPa.

 

 Pesquisadores da Universidade Federal de Itajubá (Unifei) e do Programa de Engenharia de Sistemas e Computação (Pesc), do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), desenvolveram a rede social Sociedade Participativa (SoPa), com o objetivo de proporcionar um ambiente estruturado para discussão de problemas da sociedade.

 Estão envolvidos no desenvolvimento do projeto, pela Unifei, Gabriel Gomes da Silva, graduando em Ciências da Computação; Tiago Aparecido Ferreira, graduando em Sistemas de Informação, e Melise Maria Veiga de Paula, professora no Instituto de Matemática e Computação (IMC). Pela UFRJ, participam Bárbara Pimenta Caetano, doutoranda no Pesc, e graduada em Sistemas de Informação pela Unifei, e o professor Jano Moreira de Souza, do Pesc/Coppe, orientador do seu doutorado.

 A rede social é uma iniciativa apartidária e, na sua atual versão, é promovido um ambiente colaborativo, possibilitando que membros contribuam para a solução de problemas da sociedade.

Contribuições

 Em mensagem enviada à Secretaria de Comunicação (Secom) da Unifei, a professora Melise disse que o diferencial da rede social SoPa é o fato de ser voltada especificamente para a participação dos usuários para os problemas relacionados à sociedade. Ela procura combinar os diferentes recursos tecnológicos, como redes sociais, visualização da argumentação e gamificação para facilitar aos usuários a comunicação, o entendimento das discussões e o engajamento na ferramenta.

 A docente entende que as contribuições da SoPa para a comunidade acadêmica estão em validar os recursos e estratégias utilizadas na concepção da ferramenta. A análise dos resultados dos experimentos que vêm sendo realizados representa um conhecimento importante, uma vez que eles indicam funcionalidades que são adequadas ou não ao contexto, e outras análises mais profundas poderão ser feitas para ter-se o conhecimento do impacto da ferramenta na sociedade e nas tomadas de decisões.

Participação dos alunos

 A rede social SoPa vem sendo desenvolvida desde o início de 2016 e sua primeira versão foi lançada em fevereiro de 2018. Ela já serviu de base para a dissertação de mestrado da aluna Bárbara, que foi finalizado em março deste ano, e também está sendo utilizada para trabalhos finais de graduação. O aluno Gabriel implementou recursos de notificação e de gamificação na ferramenta e a versão Mobile da SoPa é tema do trabalho final de graduação do aluno Tiago.

 A ex-aluna da Unifei Bárbara Pimenta Caetano tem como objetivo agora, em sua tese de doutorado, aprofundar os estudos relacionados à participação da população e, dessa forma, torna-se possível que o SoPa seja utilizado como uma ferramenta para experimentação e validação de hipóteses em cenários reais. É esperado também que a rede social possa ser útil na comunicação entre sociedade e poder público e que, de fato, possa fazer diferença em discussões sociais em que os membros estejam inseridos.

 Segundo o graduando Gabriel Gomes, a principal motivação para a criação dessa rede social é estudar e utilizar as tecnologias presentes hoje em dia para a criação de canais democráticos que sejam mais eficientes para a comunicação entre a população e as autoridades ou instituições.

Desdobramentos

 Até o início de maio deste ano, a ferramenta possuía mais de 180 usuários cadastrados e, à medida que ela estiver sendo utilizada, um dos objetivos de seus idealizadores é fazer uma análise mais aprofundada sobre o impacto da rede SoPa para a população.

 Atualmente, existem duas versões da rede social: a inicial da ferramenta, que foi proposta na dissertação da aluna Bárbara e tinha seu foco voltado para questões pertinentes a problemas de Itajubá, e a versão que está sendo utilizada pelo graduando Gabriel, com ênfase na discussão de questões pertinentes ao campus da Unifei. No futuro, pretende-se fazer apenas uma versão, com a possibilidade de serem criados grupos.

 A rede SoPa já rendeu a produção dos seguintes artigos: “Democracia digital: uma análise sobre recursos e aceitação,” no Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação, em 2016, em Florianópolis – SC; “WeCollaborate: Citizen collaboration for government problem-solving”, na
IEEE 21st International Conference on Computer Supported Cooperative Work in Design (CSCWD)”,
em 2017, em Wellington, na Nova Zelândia, e “Participação cidadã: um diagnóstico sob a perspectiva do ferramental disponível”, na Iberian Conference on Information Systems and Technologies, em 2018, em Cáceres, na Espanha.

 Quem tiver interesse em participar da rede social para discutir sobre questões pertinentes à Unifei deve acessar o link: http://sopa.hopto.org. E para discussões voltadas para a cidade, deve-se acessar: www.sociedadeparticipativa.com. Outras informações sobre a SoPa podem ser obtidas em: https://www.facebook.com/sopabrasil/.