Núcleo de Acessibilidade e Inclusão da Unifei promove a terceira edição do Curso de Libras Básico

O curso contou com diversos alunos que procuravam aprender a Língua Brasileira de Sinais

O curso é um processo formativo ofertado pelo Núcleo de Acessibilidade e Inclusão da Unifei.

 Em sua terceira edição desde a criação em 2015, o Curso de Libras Básico I contou com a participação dos professores Thiago Ribeiro Hiene e Vicente Alves Filho, como ministrantes, e demais colaboradores e voluntários para que, ao final do ano, houvesse êxito em mais um processo formativo ofertado pelo Núcleo de Acessibilidade e Inclusão (NAI) da Universidade Federal de Itajubá (Unifei).

 O NAI tem colaborado com a formação de pessoas, da comunidade interna e externa, interessadas em conhecer e aprender a Língua Brasileira de Sinais (Libras), numa parceria com a Escola Estadual Novo Tempo de Educação Especial, em Itajubá, para minimizar as barreiras de comunicação entre ouvintes e pessoas com surdez.

 Em 2018, o curso teve início com 40 alunos matriculados, já no primeiro dia de inscrição, e finalizou o semestre com, aproximadamente, 30 alunos frequentes. Para estes alunos, o curso foi uma oportunidade importante de formação para uma sociedade mais inclusiva.

 Segundo Guilherme Ferreira Aniceto, servidor técnico-administrativo da Unifei, que frequentou o curso, a comunidade surda no Brasil encontra-se desassistida por conta da escassez de intérpretes e tradutores da Libras. “Em especial no âmbito educacional, esses profissionais são necessários, para proporcionar aos alunos surdos igualdade de oportunidades e de ensino, em relação a alunos ouvintes. No entanto, são pouquíssimos os professores, seja na educação básica ou superior, habilitados para a comunicação em Libras”, comentou o servidor.

 Para ele, a iniciativa do NAI de oferecer à comunidade universitária um curso básico de Libras é importante especialmente porque ajuda a despertar a comunidade para essa necessidade dos surdos. “E em mim, especificamente, despertou o objetivo de tornar-me tradutor e intérprete de Libras, para atuar nas escolas da região”, disse Guilherme.

 De acordo com outro participante, Luiz Fernando dos Santos, professor do curso de Ciências Atmosféricas, do Instituto de Recursos Naturais (IRN), o curso de Libras oferecido pela Unifei foi uma grande oportunidade de expandir seu conhecimento em outra língua. “Ao mesmo tempo, ajudou a diminuir os obstáculos de comunicação com a aluna surda na disciplina que lecionei neste período. As aulas presenciais, sempre dinâmicas e com ótimos professores, fizeram desse curso uma experiência incrível que levarei para além da vida acadêmica”, revelou o docente.

 Para Lídia Chiaradia, enfermeira e professora da Faculdade Wenceslau Braz, de Itajubá, o curso foi muito interessante. “O surdo passa uma grande dificuldade de se comunicar no nosso meio, uma vez que a Libras é uma outra língua e não temos o domínio para podermos conversar, dialogar e interagir com os surdos. Então, este curso veio acrescentar muito na minha vida pessoal e, muito mais, na minha vida profissional, pois tenho a oportunidade de atender e cuidar de pessoas surdas”, afirmou Lídia.

 Segundo a enfermeira, com o aprendizado do curso, ela poderá direcionar melhor os cuidados para seus pacientes. Lídia disse ainda que gostaria que o curso tivesse continuidade, em outro módulo, pois o considera muito importante tanto para os profissionais da área da saúde quanto para qualquer pessoa.

 Segundo os organizadores do curso, nas últimas aulas do curso foi unânime o desejo de que houvesse continuidade na formação para o próximo ano. Dessa forma, o NAI já prepara o segundo módulo para atender a esta demanda, além de estar levando o curso para o campus de Itabira em 2019.