Sinhá Moreira

Sinhá Moreira

Luzia Rennó Moreira nasceu na cidade Santa Rita do Sapucaí-MG, em 1907, filha do Coronel Francisco Moreira da Costa e de Dona Mindoca Rennó Moreira. Dona Sinhá, como era chamada pelos capatazes e ex-escravos, cresceu nas fazendas cafeeiras da família na pequena cidade do interior de Minas Gerais. Teve formação educacional e cultural esmerada, com frequentes e longas viagens ao Rio de Janeiro, então capital do país. Casou-se, em 1929, com o diplomata Antônio Moreira de Abreu, tendo a oportunidade de conhecer o mundo, fato raro para a época. Viajou e morou em países como México, Estados Unidos, Japão, Portugal, Bélgica e China. De suas viagens, trouxe o princípio da eletrônica, do Japão.

Em 1942, retornou definitivamente para Santa Rita do Sapucaí, onde desenvolveu sua vocação de articuladora política. Era sobrinha do Presidente Delfim Moreira e gostava de participar de reuniões políticas. Filantropia e incentivos à cultura e ao desenvolvimento eram seus objetivos. Foi construtora de ruas, casas e escolas na sua pequena cidade no interior de Minas. Sonhou com o crescimento profissional dos jovens por meio da educação e sua generosidade propiciou a ida de jovens de sua terra para estudar em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Reservava grande parte de seu coração para os doentes e os pobres.

No final da vida, vislumbrava um futuro diferente para os jovens, sabendo que uma escola técnica abriria para eles novos caminhos e direcionaria sua cidade para o desenvolvimento. Na época, o Brasil ainda não tinha oficializado o ensino técnico e, para a realização de seu sonho, Sinhá Moreira necessitou se articular politicamente para se reunir com o então presidente Juscelino Kubitschek e explicar a necessidade da autorização e reconhecimento deste tipo de ensino.

Sinhá Moreira não só conseguiu a oficialização do ensino técnico no país, como também deu a Santa Rita do Sapucaí a oportunidade de sediar a sétima instituição do mundo na categoria. Aconselhada por professores do ITA, de São José dos Campos, e com as ideias que trouxe do Japão, fundou, em 1959, a primeira escola de eletrônica da América Latina: a Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa (ETE), semente do Vale da Eletrônica. Sinhá Moreira doou as terras que havia herdado para a construção da escola e o governo federal financiou a construção do prédio de 22 mil metros quadrados. A obra grandiosa despontava em meio às pequenas casas da região.

Seus gestos e iniciativas provocaram profundas transformações na cultura local, levando uma cidade interiorana, produtora de café e leite, a se transformar num centro de excelência em Eletrônica e Tecnologia da Informação. D. Sinhá faleceu em 1963 e até hoje sua memória é amplamente lembrada e admirada pelos moradores da cidade.

Referência:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Sinh%C3%A1_Moreira

http://www.etefmc.com.br/institucional-historia

http://nitmantiqueira.org.br/portal/index.php/noticias/1560-sinha-moreira-transformando-uma-cidade-rural-em-um-polo-de-tecnologia